Viajando de trem pelo Japão

O Japão é, provavelmente, um dos melhores países do mundo para viajar de trem. Pode ser perto, pode ser longe. No Japão é possível cruzar qualquer parte em cima dos trilhos. É caro? É, mas vale a pena, especialmente porque, como turista, podemos comprar o rail pass da JR, principal companhia ferroviária do país e dona dos famosos trem-balas. E esse passe deixa a viagem com preços bem mais acessíveis, mas atenção: só vale a pena se for rodar bastante e ele precisa ser comprado fora do Japão.

Os modernos trens japoneses

Os modernos trens japoneses

Mas como saber se vale a pena? Hoje o nosso Santo Google Maps traça rotas e, de quebra, dá o valor delas. Então dá para saber quanto gastaria sem o passe e quanto a mesma viagem custará com um às mãos. Mas atenção de novo: há trechos que não são cobertos pela JR e aí vai ter que desembolsar em dinheirinhos. Mas como saber se é JR ou não? O Google Maps também te conta isso.

E por que vale tanto a pena? Porque os trens são pontuais e geralmente tem muitos horários disponíveis na maioria dos trechos, que são percorridos a quase 400km/h tornando as viagens bem mais ágeis. Mesmo quando ela parece não valer a pena, você calcula o tempo que vai levar para ir para o aeroporto, o tempo de espera na saída e na chegada, e a ida para a cidade.

Um exemplo:

Eu fui de Tóquio para Takamatsu, uma das cidades que dá acesso à Naoshima, Teshima e Shodoshima, conhecidas ilhas das artes de avião, acabei optando por um voo da Jetstar.

A minha saída em Tóquio foi de Harajuku:

Harajuku x aeroporto Narita: 1h45 – 1.640 yens

Tempo de espera no aeroporto (chegada, check-in, despacho de bagagem, embarque): 1h30

Voo Narita x Takamatsu: 1h30 – 10.190 yens

Traslado aeroporto – Estação Takamatsu: 40 minutos – 750 yens

Total de horas: 3h55

Custo total: 12.580 yens (cerca de R$400)

Fazendo o mesmo trajeto de trem:

Harajuku x Estação Takamatsu: 4h45 – 18.690 yens (cerca de R$570)

Ok, tivemos aqui 50 minutos a mais, mas o voo atrasou 1h e eu não considerei isso na conta, então só com o atraso, já teria valido mais a pena de trem. E, claro, o trabalho é bem menor e há menos trocas de trens e traslados. E, claro, aqui ainda tem a comodidade de sair e chegar já nos centros das cidades.

Os famosos bentos, pratos montados e deliciosos, para viagem

Os famosos bentos, pratos montados e deliciosos, para viagem

O trem saiu mais caro, mas… mas…, você tem o rail pass que custou R$1.000 para usá-lo por 7 dias, então nessa viagem você não irá desembolsar nada a mais. E, de quebra, ainda daria para fazer em 7 dias de trem, partindo de Tóquio:

– 3 dias em Quioto

– 4 dias em Kagawa (onde ficam as ilhas das artes)

Com o rail pass JR você ainda pode fazer um bate-volta de Quioto para Osaka sem desembolsar a mais por isso. Caso tenha mais dias e queira viajar mais para o Sul, compre o JR para 14 dias. Vamos lá:

– Tóquio – Quioto: 14.170 yens

– Quioto – Osaka – Quioto: 1.600 yens

– Quioto – Takamatsu ou Uno: 9.970 yens

– Takamatsu – Tóquio: 18.690 yens

Total: 44.430 yens = R$ 1.354. Economia de cerca de R$ 354

Caso resolva fazer uma parada em Hiroshima na volta, custará mais 7.710 yens, já que o valor de Takamatsu ou de Hiroshima pra Tóquio é mais ou menos o mesmo valor. A economia já subiu para R$ 589.

O railpass ;)

O railpass 😉

Mas esse é apenas um exemplo. Dá para rodar o país todo de trem e ver que tipo de período de JR vale mais a pena comprar. O JR Shinkansen é famoso “trem-bala” e atende praticamente todos os percursos no Japão. Ou seja, ele percorre 320km/h.

Os passes são vendidos por períodos válidos de 7 dias, 14 dias ou 21 dias com possibilidade de comprar classe normal ou superior.

Por dentro do trem

Por dentro do trem

Como usar?

É necessário trocar o documento que recebeu na compra do rail pass JR pelo passe. Na troca já deverá definir qual a data em que começará a utilizá-lo. Essa troca é feita em qualquer JR Ticket Office, nas estações de trem como Shibuya, Shinjuku, Tokyo Station.

Não é necessário reservar o trem, mas recomenda-se dependendo da época do ano, pois em alta-temporada há a chance de não conseguir um bom lugar. Em cima da hora também sempre irá encarar grandes filas e sair mais tarde do que o esperado.

É necessário ir até uma loja da JR para fazer a reserva. Alguns trens possuem o “silent cars”, onde não é permitido falar. Caso você queira dormir durante toda a viagem, pode ser uma ótima ideia.

A estação de Tóquio

A estação de Tóquio

Também há os “smoking car”, ou seja, se você não consegue lidar com fumaça de cigarro, sempre atente para esse detalhe para que não caia num vagão de fumantes.

Os compartimentos para mala são compactos e fica acima dos bancos, por isso atente para o tamanho e peso da mala para não sofrer horrores tentando encaixar sua mala neles.

Atente ao número do vagão em que foi marcado o seu ticket, pois nas plataformas de trem há a marcação de onde cada vagão para e os trens são longuíssimos.

Eles são super confortáveis, mas não conte com wi-fi, porque não tem, mas tem tomada. Caso queira luxo, opte pela primeira classe, mas nessa eu sequer passei perto.

É vendido sanduíches e bebidas no trem, mas, como de costume, são mais caros. Por isso, vale muito a pena comprar sua comida antes da viagem. Caso esteja saindo de Tóquio, é bem fácil encontrar bentos para viagem.

Só há bons motivos para considerar a viagem de trem, até porque possibilita ver um pouco mais do Japão, mesmo que seja pela janelinha. Boa viagem!!

Lalai Persson

Lalai Persson

Autora chez Viajando - Expedia Brasil
Lalai Persson é DJ e produziu festas por 5 anos em São Paulo, trabalhou por 10 anos com publicidade, é uma das co-fundadoras da agência Remix Social Ideas, além de ser curadora da área de música de eventos como youPIX e Campus Party. É blogueira desde o início de 2000 e em 2013 criou o Chicken or Pasta, site de lifestyle de viagens. Atualmente está na estrada sempre que possível.
Lalai Persson

Últimos posts por Lalai Persson (veja todos)