Bodegas para beber e comer bem em Mendoza

Há diversas maneiras de produzir vinho. Infelizmente, o método mais barato e comum é o repleto de químicos nocivos desde a parreira até a garrafa. Chamado de “convencional”, é o escolhido pela imensa maioria de produtores, especialmente aqueles que encontramos em todos os cantos do mundo: eles não aguentam tantas viagens, variações de temperatura e exposição à toa. Ou seja: além de plantar a uva com quantidades exorbitantes de pesticida, ainda é permitido o uso de cerca de cinquenta aditivos que incluem antociano em pó pra dar cor, glicerina para dar corpo, arsênico, metanol. E não pense que são apenas os baratinhos não. Uma taça de vinho tinto ao dia já não parece mais tão saudável, a menos que você saiba o que há dentro do vinho que está tomando.

Por tudo isso foi tão interessante a visita a pequenos produtores em Mendoza, muitos deles orgânicos certificados ou orgânicos sem certificação – como no Brasil, o processo para obter o selo na Argentina é demorado e caro. Porque informação é o maior poder que se pode ter. Um destes belos produtores é Alberto Cecchin, da Bodega Cecchin.

Bodega Cecchin

Visitantes reunidos em mesa ao ar livre no restaurante da Bodega Cecchin

Terceira geração da família a cultivar vinhedos na região de Maipú, e pioneiro em produção de vinhos orgânicos na área, Alberto fala com orgulho sobre jamais ter colocado um grama de agrotóxico no solo. Sobre como suas uvas e azeitonas são transformadas em vinhos e azeites sem serem “corrigidas” por químicos. Sobre como somos o que comemos e seremos o que fazemos ao mundo a nossa volta. “Uma fruta bem cuidada, nem nutrida, equilibrada, produz bons derivados. Mas muitos acham mais fácil usar agrotóxicos, enfraquecer a terra, empobrecer a fruta e depois acertar tudo com dezenas de aditivos”, diz. “Pode ser mais fácil, mas não é sustentável e nem moral”, comenta.

Almoço com vista para os vinhedos

Almoço com vista para os vinhedos

Além da beleza de passear pela fazenda, é delicioso  almoçar na Bodega Cecchin, ao ar livre, perto das  videiras. Comida simples e saborosa – e as  melhores empadas de carne que já provei. Isso sem falar no pudim de leite com laranja  e em seu Malbec sem sulfito. Ímpar, a fruta brilha como nunca vi. Com reserva antecipada, a Cecchin oferece aula de de cozinha para grupos. Você colhe o que for possível, prepara, põe a mesa, abre o vinho e é feliz.

A caminho da produção orgânica e já usando a menor quantidade de químicos possível está a Huentala Wines, vinícola de propriedade da família detentora da marca Sheraton na Argentina. Cercados por montanhas – que, no inverno, cobrem-se de neve -, os vinhedos da Huentala abrigam uma linda construção na qual funciona o restaurante e pousada. “Pousada” é modo de dizer: são apenas dois quartos imersos na natureza, no silêncio e na paz de espírito. Mas você pode agendar seu almoço por lá e provar os primeiros vinhos 100% Malbec da marca, assinados anualmente por um grande wine maker do mundo.

A sede da Huentala Wines

A sede da Huentala Wines

Tomara que os consumidores de vinhos tornem-se mais conscientes do que o que está no seu copo – e deem cada vez mais valor a todos os “Cecchins” e “ Huentalas” do mundo.

Ailin Aleixo

Ailin Aleixo

Autora chez Viajando - Expedia Brasil
Ailin Aleixo é jornalista e há 15 anos escreve sobre gastronomia. Já foi editora de revistas como Viagem e Turismo, Época e VIP. Há seis anos criou um dos maiores sites de gastronomia e turismo gastronômico do país, o Gastrolândia.
Ailin Aleixo

Últimos posts por Ailin Aleixo (veja todos)